Traduzindo o Segurês

Traduzindo o Segurês. Apresentamos, a seguir, as definições de seguros utilizadas nas Condições Contratuais do Seguro  Auto:

traduzindo o segurês
ACEITAÇÃO – é a aprovação da proposta apresentada pelo Segurado para a contratação do
seguro, serve de base para a emissão da apólice.
ACESSÓRIO – peça desnecessária ao funcionamento do veículo e nele instalado para sua
melhoria, sua decoração, proteção ou para lazer do usuário.
ACIDENTE – acontecimento fortuito ou imprevisto que causa danos a bens ou a pessoas.
APÓLICE – documento que formaliza o contrato de seguro, discriminando as coberturas e
garantias contratadas. Os direitos e deveres das partes contratantes constam no Manual do
Segurado que é parte integrante da apólice.
APROPRIAÇÃO INDÉBITA – ato ilícito que consiste em apropriar-se de coisa alheia móvel, de
que se tem a posse ou a sua detenção.
AVARIA – termo empregado no Direito Comercial para designar os danos às mercadorias.
AVARIA PRÉVIA – dano existente no veículo segurado antes da contratação do seguro e que
não está por este coberto, exceto em caso de sinistro em que for decretada a indenização
integral do veículo.
AVISO DE SINISTRO – comunicação da ocorrência de um sinistro que o Segurado é obrigado a
fazer à Seguradora, assim que dele tenha conhecimento.
BENEFICIÁRIO – é a pessoa que detém legalmente o direito à indenização.
BÔNUS – desconto obtido pelo Segurado na renovação do seguro, desde que não tenha havido
nenhuma ocorrência de sinistro durante o período de vigência da apólice anterior, qualquer
transferência de direitos ou obrigações ou qualquer interrupção no contrato de seguro.
COLISÃO – choque, batida ou abalroamento do veículo segurado contra um obstáculo, a saber:
outro veículo, um poste, um muro, uma pessoa, um animal, entre outros.
CONDIÇÕES CONTRATUAIS – correspondem ao conjunto das Condições Gerais, Especiais e
Particulares de um mesmo seguro.
CONDIÇÕES GERAIS – conjunto das cláusulas, comuns a todas as modalidades e ou coberturas
de um plano de seguro, que estabelecem as obrigações e os direitos das partes contratantes.
CONDUTOR – é a pessoa legalmente habilitada que conduz o veículo segurado habitual ou ocasionalmente.

Continuamos traduzindo o Segurês

CORRETOR – é a pessoa física ou jurídica legalmente autorizada a angariar e promover
contratos de seguro entre a Seguradora e o Segurado. É o representante do Segurado junto à
Seguradora.
CULPA – conduta negligente, imprudente, imperita ou temerária, sem propósito preconcebido
de prejudicar, mas da qual advenham danos, lesões ou prejuízos a terceiros.
DANO CORPORAL – é a lesão exclusivamente física causada à pessoa em razão de acidente
envolvendo o veículo segurado. Danos morais, estéticos ou psicológicos não estão abrangidos
por esta cobertura.
DANO ESTÉTICO – é todo e qualquer dano causado à pessoa que implique em redução ou
perda de padrão de beleza ou estética, mas sem a ocorrência de sequelas que interfiram no
funcionamento do organismo.
DANO MATERIAL – é o dano causado exclusivamente à propriedade material da pessoa,
indenizável ou não, de acordo com as condições do contrato de seguro.
DANO MORAL – é a ofensa ou a violação de caráter não patrimonial, praticada por outrem à
dignidade da pessoa, causando sofrimento psíquico, constrangimento, desconforto, humilhação,
independentemente da ocorrência simultânea de danos materiais ou corporais.
ENDOSSO – documento emitido pela Seguradora que expressa qualquer alteração de dados e
condições da apólice durante sua vigência.
EQUIPAMENTO – entende-se como equipamento, original ou não, qualquer peça ou aparelho
fixado em caráter permanente no veículo segurado, com exceção dos classificados como
acessórios.
EQUIPAMENTO DE MONITORAMENTO – equipamento utilizado para monitorar informações
do veículo para fim de segurança em caso de roubo ou furto. Opera com sistema de
radiofrequência ou rastreamento via satélite (GPS/GPRS).
ESTELIONATO – obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo
ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento.
ESTIPULANTE – é a pessoa física ou jurídica que contrata um seguro a favor do Segurado,
representando-o junto à Seguradora.
FATOR DE AJUSTE – é o percentual que reflete a relação entre o valor do veículo segurado e o
valor do veículo na tabela de referência, no momento da contratação do seguro na modalidade
valor de mercado referenciado.
FRANQUIA – é a participação obrigatória do Segurado, constante na apólice, dedutível em cada
sinistro de perda parcial, pelo qual o Segurado fica responsável pelo pagamento. Não há cobrança de franquia nos sinistros provenientes de raio e suas consequências, de incêndio ou de
explosão acidental.
FURTO – é a subtração do bem sem ameaça ou violência à pessoa.
FURTO MEDIANTE FRAUDE – método enganoso, sem uso de ameaça, por meio do qual uma
pessoa desvia a atenção da outra que, desatenta, tem seu bem subtraído.
INDENIZAÇÃO INTEGRAL – é considerada indenização integral quando os danos ao veículo,
gerados pelo mesmo evento, atingirem ou ultrapassarem 75% do Limite Máximo de
Indenização constante na apólice.
INDENIZAÇÃO PARCIAL – é considerada indenização parcial quando os danos ao veículo,
gerados pelo mesmo evento, não atingirem 75% do Limite Máximo de Indenização constante
na apólice. Considera-se, também, indenização parcial, o roubo ou o furto localizado do veículo
segurado, em que eventuais avarias ocasionadas em função deste evento não atingirem 75% do
Limite Máximo de Indenização.
JUROS DE MORA – taxa percentual incidente sobre o atraso do pagamento de um título de
crédito em um determinado período de tempo.
LIMITE MÁXIMO DE INDENIZAÇÃO – é o limite fixado nos contratos de seguro, representando
o máximo que a Seguradora indenizará em decorrência do risco coberto.
LIQUIDAÇÃO DE SINISTRO – é o processo para pagamento da indenização, com base na
regulação do sinistro.
LOCK-OUT – paralisação dos serviços ou atividades de uma empresa ou empresas de atividades
afins, por determinação de seus administradores ou do sindicato patronal respectivo.
MULTA – pena pecuniária imposta a quem infringe leis ou regulamentos.
OPERAÇÃO DE BASCULAMENTO – é o ato de descarregar o conteúdo de dentro da caçamba
de caminhões que possuem a função de inclinar sua parte traseira de modo que a carga
escorregue naturalmente para fora da caçamba.
PASSAGEIRO – é toda pessoa que estiver sendo transportada pelo veículo (inclusive o
motorista).
PRÊMIO – é o valor pago pelo Segurado, estipulante ou proponente à Seguradora para que esta
assuma o risco a que ele está exposto.
PRESCRIÇÃO – perda da pretensão para reclamar os direitos ou obrigações em virtude do decurso dos prazos previstos em lei.

Traduzindo ainda o Segurês

PRIMEIRO RISCO ABSOLUTO – é aquele em que a Seguradora responde pelos prejuízos,
integralmente, até o montante do Valor de Mercado Referenciado (VMR) ou do Limite Máximo
de Indenização, deduzidas eventuais franquias.
PROPONENTE – pessoa física ou jurídica que pretende contratar um seguro e que já firmou,
para esse fim, a proposta.
PROPOSTA – documento através do qual o Segurado formaliza a sua intenção de contratar o
seguro.
PRO RATA (TEMPORIS) – é o cálculo do prêmio do seguro, proporcional aos dias de vigência
do contrato.
QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE RISCO – formulário de questões, parte integrante da
proposta de seguro, e que deve ser respondido pelo Segurado, de modo preciso, sobre os
condutores e as características do uso do veículo e demais elementos constitutivos do risco a ser
analisado pela Seguradora. É utilizado para o cálculo do prêmio do seguro e como parâmetro
para avaliação da regularidade da cobertura em caso de sinistro.
REGIÃO DE CIRCULAÇÃO – local onde o veículo se expõe ao risco, ou seja, que trafega
habitualmente na maior parte do tempo e/ou na região em que resultar na maior taxação do
prêmio.
REGULAÇÃO DE SINISTRO – conjunto de procedimentos com a finalidade de examinar as
causas e circunstâncias do sinistro para apurar se o Segurado cumpriu todas as obrigações
legais e contratuais e concluir se o evento possui cobertura.
RESPONSABILIDADE CIVIL FACULTATIVA DE PROPRIETÁRIOS DE VEÍCULOS
AUTOMOTORES DE VIAS TERRESTRES (RCF-V) – responsabilidade do Segurado decorrente de
acidente causado a terceiros pelo veículo segurado ou pela sua carga durante o transporte.
RISCO – evento incerto e aleatório (data incerta), possível, concreto, lícito e fortuito, que
independe da vontade das partes contratantes e contra o qual é feito o seguro.
ROUBO – é a subtração de todo ou parte do bem com ameaça ou violência à pessoa.
SALVADOS – objetos resgatados de um sinistro e que ainda possuam valor econômico.
SEGUNDO RISCO ABSOLUTO – seguro complementar a um seguro contratado a primeiro risco
absoluto, no caso de o Segurado desejar se prevenir contra a possibilidade de ocorrência de
sinistro de prejuízo superior ao previsto no primeiro contrato. É contratado obrigatoriamente em
uma segunda Seguradora, sendo acionado somente se o prejuízo apurado exceder o Limite
Máximo de Indenização de uma cobertura de seguro contratado a primeiro risco absoluto.
SEGURADO – é a pessoa física ou jurídica que, tendo interesse segurável, contrata o seguro em seu benefício pessoal ou de terceiro(s).

Traduzindo o Segurês

SEGURADORA – é a empresa autorizada pela SUSEP a funcionar no Brasil e que, recebendo o
prêmio, assume o risco e garante a indenização em caso de ocorrência de sinistro amparado
pelo contrato de seguro.
SEGURO CONTRIBUTÁRIO – Quando os componentes do grupo Segurado pagam o prêmio do
seguro, total ou parcialmente.
SINISTRO – é a ocorrência de um dos eventos previstos na apólice, de natureza súbita,
involuntária e imprevista, para qual foi contratada a cobertura do seguro.
SUB-ROGAÇÃO – transferência para a Seguradora, dos direitos e ações do Segurado contra o
causador dos danos, até o limite do valor indenizado.
SUSEP (Superintendência de Seguros Privados) – Autarquia vinculada ao Ministério da
Fazenda, responsável pelo controle e fiscalização dos mercados de seguro, previdência privada
aberta, capitalização e resseguro.
TERCEIRO – é a pessoa culpada ou prejudicada no acidente, exceto os passageiros do veículo
segurado, o próprio Segurado, seus ascendentes, descendentes, cônjuges, irmãos, ou quaisquer
pessoas que com ele residam ou que dele dependam economicamente.
VALOR DE MERCADO REFERENCIADO – modalidade que garante ao Segurado, no caso de
indenização integral, o pagamento de quantia variável, em moeda corrente nacional,
determinada de acordo com a tabela de referência, expressamente indicada na proposta do
seguro, conjugada com fator de ajuste, em percentual, a ser aplicado sobre o valor de cotação
do veículo, na data da liquidação do sinistro.
VALOR DETERMINADO – modalidade que garante ao Segurado, no caso de indenização
integral, o pagamento de quantia fixa, em moeda corrente nacional, estipulada pelas partes no
ato da contratação do seguro.
VIGÊNCIA – período especificado na apólice e que determina o prazo de início e término das
coberturas contratadas.
VISTORIA DE SINISTRO – inspeção efetuada pela Seguradora, através de vistoriadores
habilitados, em caso de sinistro, para verificar os danos ou prejuízos sofridos.
VISTORIA PRÉVIA – inspeção efetuada pela Seguradora, anterior à contratação  do seguro, para
verificação das características e estado de conservação do veículo.